post-image

A Polícia Nacional está a ser acusada de ter detido e torturado no último fim-de-semana, um activista cívico identificado por Enoque Jeremias, responsável da Associação de Promoção e Desenvolvimento Social (APDS), por suspeitas de tentar fotografar o governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, sem previa autorização. O incidente, segundo dados apurados pelo “Zuela”, teve lugar no município do Cuango quando Enoque Jeremias fazia-se de guia de uma equipa de reportagem da Televisão privada TV-Zimbo que cobria a visita da ministra da Saúde, Silvia Lutukuta, que se deslocara à vila de Cafunfo, que se debate com o surto de malária. Segundo consta, tudo começou quando o cidadão em causa recebeu uma ligação de alguns companheiros jornalistas que vinham a acompanhar a Ministra e que precisavam lhe contactar diretamente, pedindo que se encontrassem junto do hospital regional do Cafunfo. Ernesto foi com um amigo Cândido Cori e ao direcionarem-se para o local combinado depararam-se com responsáveis políticos da província como no caso dos senhores Fernando Muatxiteno, o Director municipal da educação, e Kazanga Manuel, o secretario local da JMPLA. Para a sua tristeza, neste momento Enoque Jeremias terá recebido uma mensagem no seu telemóvel, e ao tentar abrir, um dos agentes da secção do Serviço de Investigação Criminal (SIC), conhecido por “Ninja”, e Pedrito “Socicla” acusaram o activista de tentar fotografar a Ministra e o Governador. Por conta disto, Enoque Jeremias foi obrigado a entregar o telefone ao “Ninja” para que este certificasse se havia fotografado os dois governantes naquele instante. Não foram encontradas fotografias. Desta feita, três agentes da Policia Nacional detiveram o Enoque Jeremias e logo começaram a lhe torturar. Um agente da Policia de Intervenção Rapida (PIR) atingiu-lhe com um soco no olho do lado direito tendo este começado a sangrar, e posteriormente foi levada na 2a Esquadra de Cafunfo onde permaneceram todo dia. Ainda no acto da detenção,

post-image

O Observatório para Coesão Social e Justiça (OCSJ) é a mais nova organização que visa debater-se contra a violação dos direitos fundamentais dos cidadãos em Angola, cuja apresentação do seu corpo directivo foi feita neste domingo, 10 de Dezembro, em Luanda. Falando no acto de apresentação, o advogado Zola Ferreira Bambi, presidente da organização, disse que entre os objectivos, o “Observatório para Coesão Social e Justiça” estará empenhado na defesa dos direitos humanos e fundamentais, a promoção da integração, o dialogo social, coabitação e solidariedade social. Consta ainda, segundo Zola Ferreira Bambi, a luta contra as desigualdades e o fomento da cultura jurídica e cidadã, bem como o encaminhamento do seu manifesto no acompanhamento fiscalização das políticas públicas e da responsabilidade social corporativa. Aos presentes, o presidente do “Observatório para Coesão Social e Justiça” fez saber igualmente que a nova agremiação dos direitos humanos que emerge da sociedade civil “está capacitada a proporcionar, consultas jurídicas programadas, mediação, resolução de conflitos extrajudicial, patrocínio jurídico, intervenção social, apoio e assistência jurídica aos estrangeiros e à diáspora angolana. Zola Bambi esclareceu que “Observatório para Coesão Social e Justiça” não constitui um movimento político, “tão pouco apresenta algum vínculo, pacto ou compromisso vertical ou horizontal, para servir de instrumento de apoio aos partidos políticos, organizações ou instituições diversas”. “O seu rolo fundamental limita-se a um posicionamento neutro, imparcial com vista a contribuir na defesa dos direitos fundamentais e humanos, proporcionar, de forma pertinente e responsável, informação e esclarecimento de certas políticas públicas às populações”, disse. O “Observatório para Coesão Social e Justiça (OCSJ)” foi fundado em Julho de 2017 e os seus promotores sublinham que o mesmo funciona desde assinatura pública, tendo já realizado diversas actividades que vão de en

post-image

Observatorio para Coesão Social e Justiça

post-image

Stop Slave Trade in Libya - Washington DC Protest Rally - Tue Dec 12 9am - Embassy of Libya

post-image

O Grupo Parlamentar da UNITA entende que a Procuradoria-Geral da República (PGR) deve agir e responsabilizar as autoridades da província da Lunda-Norte, em consequência das mortes sucessivas, essencialmente de crianças, por alegada negligência do governo local e desvio de medicamentos e materiais gastáveis dos hospitais públicos para postos médicos privados por parte de funcionários da saúde.98 Num relatório de tornado público aos órgãos de comunicação social nesta terça-feira, 05/12, saído de uma visita de constatação de alguns deputados à Assembleia Nacional pela bancada parlamentar da UNITA, nas regiões do Cuango e Cafunfo, província da Lunda-Norte, no período entre 26 e 29 de Novembro de 2017, os parlamentares do “Galo Negro” constataram que a “situação actual vivida no município do Cuango é o resultado de uma governação irresponsável, uma governação sem norte e sem projectos sociais coerentes e, até, o sinal evidente de que as Autarquias em Angola devem ser implementadas com alguma urgência”. Segundo os deputados da UNITA que contrariam os argumentos das autoridades governamentais da Lunda-Norte, que minimizam o número de mortes podia, “há efectivamente uma doença com sintomas de malária a matar 5 a 12 crianças por dia . A doença se torna estranha na medida em que ela actua de maneira muito rápida levando a morte as suas vítimas”. Os deputados constataram que de 1 de Setembro a 29 de Novembro de 2017, terão perecido mil e 80 crianças, dos zero à 17 anos, numa média diária de 12 crianças, devido a falata de saneamento básico e água potável para o consumo das populações. “as populações consomem água imprópria, falta de saneamento básico já que não existe até uma simples rede de esgotos”, diz o relatório a que o “ZUELA” teve acesso. O documento refere que o encerramento da morgue faz com que os cadárevres sejam levados para casa. “Assim os familiares se reunem em volta do morto expondo-se a riscos de contágio” Para todos os problemas que a população enfrenta,

Tudo começou com a detenção de João Alfredo Dala por agentes da Polícia Nacional e Serviço de Investigação Criminal, acusado de participar de um alegado “rapto” do pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia, Daniel Cem ex-presidente da região norte, ao que consta, terá alegadamente simulado o seu próprio rapto, no dia 29 de Outubro de 2015. Dos factos reportados pelo “Maka Angola”, referem que durante o “cativeiro”, o mesmo Daniel Cem usou o seu telemóvel e computador para negociar pessoalmente com a igreja o seu resgate, para conversar com amigos e familiares. A igreja não pagou. Para justificar a sua libertação, o pastor alegou que os próprios raptores lhe teriam concedido um empréstimo de dez milhões de kwanzas, conforme explicado anteriormente, na primeira parte desta investigação. Como a história não fazia sentido, era preciso encontrar alguém que confessasse o suposto crime. Os dados avançados, ressaltam que João Alfredo Dala, foi pessoalmente torturado – até o deixarem mutilado – por alguns dos principais chefes do SIC, durante 15 horas seguidas, para o obrigarem a repetir, em vídeo, uma confissão que lhe tinham preparado. O pastor Daniel Cem e familiares seus também torturaram o "escolhido" na 48ª Esquadra Policial, em Viana. Segundo contou João Alfredo Dala ao portal que o “Zuela” tem vindo a citar, no 4 de Dezembro do mesmo ano de 2015, por volta das 23h00, um grupo de 18 elementos encapuzados invadiu a residência do comerciante João Alfredo Dala, líder da juventude da Igreja Adventista do Sétimo Dia, no bairro Rocha Pinto, tendo morto o seu cão pastor alemão com um tiro na cabeça. “Pensámos que eram bandidos. Escalaram até ao primeiro andar onde vivo e entraram no meu quarto. Pedi-lhes que não fizessem mal à minha família. Disse-lhes que tinha dinheiro e que o entregaria”, afirma João Dala. “Um deles pegou na minha filha de 20 anos, a Linda, e pensei que a fossem violar e comecei a gritar. Implorei para não a violassem”, denuncia. Levou então uma cor

post-image

Sete activistas foram detidos por volta das 11 horas, neste sábado, 02/12, supostamente por orientação do segundo Comandante da Polícia Nacional na província de Cabinda, quando tentavam distribuir e colar na via pública panfletos sobre a realização de uma “manifestação pacífica” no próximo dia 16 de Dezembro, data consagrada ao “Dia Internacional dos Direitos Humanos”. Em declarações prestadas ao “Zuelala”, Alexandre Kuanga, coordenador da Associação para o Desenvolvimento da Cultura dos Direitos Humanos (ADCHD) em Cabinda disse que os sete activistas, defensores dos Direitos Humanos no enclave, foram detidos e colocados na prisão sem motivos que justifiquem. Alexandre Kuanda conta que os activistas que pretendiam distribuir e colar panfletos no centro da cidade de Cabinda que anunciam a realização da manifestação já anunciada às autoridades para o sábado, 16/12, foram interpelados por um sargento de uma Esquadra Móvel da Polícia Nacional que “os impediu de colar os cartazes na paragem do Yema”. O coordenador da Associação para o Desenvolvimento da Cultura dos Direitos Humanos (ADCHD) na província rica em petróleo fez saber a que a manifestação tem por objectivo exigir o fim da “impunidade, assassinatos, desemprego que assolada a maioria da população, as prisões arbitrárias, perseguições e bem como a degradação social da província de Cabinda”. Para Alexandre Kuanga, os sete activistas estão detidos sem nenhuma acusação formal, e tudo aconteceu quando os mesmos se dirigiram ao Comando Provincial da Polícia de Cabinda, reclamando sobre o “impedimento” a que foram vítimas na colagem dos dísticos por parte de um dos agentes de uma Esquadra Móvel, e postos no local, contra Alexandre Kuanga, “o segundo comandante da polícia orientou detenção dos activistas”. “Os activistas foram ao comando reclamar as razões do impedimento na colagem dos panfletos, mas chegando lá foram colocados na prisão por orientação do segundo comandante, que momentos depois foram levados para a

post-image

Fazer dos Recursos Naturais uma Fonte de Bem estar de todos e para os Angolanos Luanda 29 a 30 de Novembro de 2017

post-image

Nos últimos tempos, tem circulado nas redes sociais, informações que dão conta de sucessivas mortes em Luanda, principalmente de jovens, supostamente executados à queima-roupa cujas mortes são atribuídas aos Serviços de Investigação Criminal (SIC). A pena de morte em Angola, ao que consta, foi abolida em 1991 e a Constituição da República de Angola, aprovada em Fevereiro de 2010, entre os direitos e liberdades individuais e colectivos, consagra no artigo 30.º o “Direito o à vida”, estabelecendo que “o Estado respeita e protege a pessoa e a dignidade humanas”. Os factos reportados nos últimos dias são arrepiantes, porquanto são cadáveres que têm sido encontrados no interior dos bairros de Luanda, cujas testemunhas acusam elementos ligados aos Serviços de Investigação Criminal (SIC) de Angola, o que a ser verdade, viola a Constituição da República que proíbe a pena de morte. A denúncia mais recente é a do activista cívico Manuel Nito Alves, que numa publicação na sua página do “Facebook” na terça-feira, 28 de Outubro, advoga ter visto a morte de um jovem cujo nome e a idade não foram revelados, no quilómetro 9ª, na zona da Robaldina, em Viana. O Director do Serviço de Investigação Criminal de Luanda, Amaro Neto, negou em conferência imprensa a existência de “esquadrão da morte” em Angola. Para o responsável do SIC na capital do país, a sua instituição respeita à vida e que tudo está a ser feito para encontrar os verdadeiros culpados pelas mortes. O activista Nito Alves, na publicação feita, “desafia” à alta patente do SIC. “Eu ninguém me contou, presenciei a morte deste jovem”, lê-se na publicação do Nito Alves, que disse que esteve em companhia de dos outros activistas Arante Kivuvu Lumumba e Salvador Tadeu. “Vimos tudo e para quem tem duvidas, vêm agora aqui na Robaldina, o corpo do jovem ainda está aqui isso, aconteceu há cinco minutos, agora mesmo”, denunciou o activista, acrescentando que “o carro dos homens do SIC é um Land Cruse branco de cinco por

post-image

Fonte: DN Muitos são obrigados a pedir dinheiro às famílias para evitar a escravatura. Segundo a Organização Internacional para as Migrações, o deserto do Sara ultrapassou o Mediterrâneo como principal causa de morte. Mais: https://www.dn.pt/mundo/interior/migrantes-africanos-vendidos-como-escravos-por-400-dolares-8917560.html

post-image

Sou eu mais livre então. Diário de um preço político

post-image

O lançamento + venda + sessão de autógrafos será no Hotel Globo. Fica na esquina oposta à da Bricomat na Mutamba. Perto do GPL. Quem vai com intenção de comprar o livro leva só kumbú como se tivesse a ir adquirir nas escassas livrarias que ainda existem por aí, ou mesmo no Kero. Seguramente voltarão com o livro e provavelmente com troco. Parem de perguntar o preço. Saberão ao chegar. AVISO: só existem 450 cópias do livro. Não há reservas. Finalmente o lançamento do livro em Luanda já tem uma data e um local. Depois das habituais dificuldades de sítios "óbvios" como o Elinga-Teatro darem um redondo NÃO e outros não tão óbvios como o Espaço Rebita dizer que sim e depois recuarem, felizmente o Hotel Globo não colocou nenhum entrave... até agora! Vamos ver se o governo do João Lourenço permite a liberdade de expressão, livre reunião e que o incentivo à leitura não seja só uma música da Noite e Dia... afinal, melhorar o que está bom e corrigir o que está mal, passa também pela percepção de que há lugar para todos nessa imensa e linda Angola. Dia 9 de Novembro, próxima quinta-feira no Hotel Globo na Mutamba em Luanda, a partir das 17:30h. Apresentação de Reginaldo Silva.

post-image

Postura dos Meios de Comunicação nas Eleições 2017

post-image

A falta de médicos especialistas em dermatologia, precisamente em cuidados da pele de pessoas com albinismo, foi apontada como uma das situações que contribuem para a má qualidade de vida dos albinos em Angola, levando alguns à morte por cancro da pele. Texto de Simão Hossi A Associação de Apoio aos Albinos de Angola, abreviadamente «4 As», comemorou, no dia 23 deste mês, o seu quarto aniversário desde a sua constituição legal. Com sede no município do Cazenga, Luanda, entretanto provisoriamente, segundo disseram, conta com representações nas províncias da Huíla, Uíge, Huambo, Moxico, Kwanza Sul, e brevemente inaugura sedes em Benguela e Kwanza Norte. Segundo o seu presidente, Domingos Manuel Vapor, a falta de assistência médica especializada é uma grande preocupação da associação. Para além deste problema, Mariza, jovem membro da organização, denuncia a discriminação no emprego, acto condenável que reduz o tempo de trabalho em determinado posto, isto quando são empregados. A aceitação do albinismo pela sociedade, no geral, e a discriminação no seio da família tem sido vivido principalmente pelas mulheres com albinismo. Segundo Mariza, 95 por cento das mulheres com albinismo são mães solteiras, e isto ocorre porque “não têm tido o mesmo respeito e consideração”. Há também bastante discriminação às crianças com albinismo, chegando algumas a serem abandonadas mesmo, segundo Manuel Vapor, principalmente quando morrem os pais. DIFICULDADES FINANCEIRAS A associação enfrenta graves debilidades financeiras. Ela sobrevive das cotas dos seus membros, porém, poucos são os que têm capacidade para honrar com este ponto estatutário. Os poucos apoios que tem recebido não tem servido para desenvolver adequadamente o seu trabalho. Dentre as suas acções, consta o programa de informação que visa acabar com os mitos sobre pessoas com reduzida melanina, mitos que estão na origem de perseguições que culminam inclusive com assassinatos de indivíduos com albinismo. O presidente da

post-image

Em busca da informação plural, mesmo que se encontre no Mato a que ajustar a atena parabolica, imagens de Malanje

post-image

A realidade e crescimento das crianças do Cacuso em Malanje

post-image

A realidade especifica das aldeias no Kwanza Norte e, realidade que se vive em outras aldeias do País

post-image

Malanje- Angola

post-image

Numeros de telefones dos comandantes municipais da provincia de Luanda - usa para fazer denuncias

post-image

4ª aniversário da Associação de Apoio Aos Albinos de Angola

post-image

Organização, #Mosaiko - Instituto para a Cidadania dos Padres Dominicanos

post-image

Padre Jacinto Wacussanga Fomos detidos por volta das 13 horas e vinte minutos por ordem do director Provincial dos Serviços de Investigação do Cunene, porque segundo ele invadimos um espaço militar, quando nosso intenção foi simplesmente buscar o contraditório de uma informação que dá a conhecer de corrupção no caso que envolve a aprienção de 350 viaturas ao abrigo do decreto presidencial N° 62/14 que proibe a entrada no país com mais de 5 anos de uso uma outra norma que proibe a circulação de viaturas de volante a direita. Fomos tratados como marginais, privados dos nossos meios, empurrados por agente do SPIC como se oferecessemos perigo a intergridade fisica e segurança de aproximadamente 8 elemntos do SPIC sob o comando do seu director, do senhor Pedro João. Detivram numa sala, onde por cerca de uma hora, ficamos sob custódia de um agente do SPIC, para hora depois ser ouvidos pelo proprio director, tendo dito que seremos encaminhados para MP. Não sei como, mas ppr vontade de Deus o nosso colega da TVZimbo, operador de camera e editor de imagem, entregou o seu telefone sem desliga-lo, por essa via a Redação da mesmla televisão ligou insistentemente, tendo originado a nossa libertação

Trist - Quando e k aconteceu isto?

The Reuters News Agency reports that the Speaker of the Ethiopian Parliament has submitted has resignation to the government. Mr Abdula Gemeda did not give reasons for his resignation. Source:http://www.reuters.com/article/us-ethiopia-politics/speaker-of-ethiopian-parliament-submits-resignation-idUSKBN1CD0XU?il=0

post-image

Um levantamento sobre o desenvolvimebto da África Austral e os Direitos Humanos dos povos da regiao

Ministro Joao Melo, sessa ligacao com as Empresas de Cominicacao Social a qual foi Socio antes de tomar posse

The BBC reports that internet services in the Cameroon separatist region has been shut... It further reported that "security forces opened fire on demonstrators who were calling for independence at rallies on Sunday, killing at least eight people". Source:http://www.bbc.com/news/world-africa-41468149

post-image

Fonte: Radio Angola Na sequência dos actos de intolerância política que se têm registado no Monte-Belo, município do Bocoio, em Benguela, noticiado primeiramente pela Rádio Angola, a Plataforma Eleitoral da Sociedade Civil de Benguela, na qual integram as organizações cívicas Omunga, CRB, e a AJS, divulgou um relatório onde, em nove pontos, aponta como conclusão. Mais: https://www.radioangola.org/plataforma-eleitoral-divulga-relatorio-sobre-intolerancia-politica-em-benguela/

Radio

The Independent reports that the Indian Federal Government is trying to deport over 40,000 Rohingya Muslims over their alleged ties to ISIS and the Pakistan Secret Services. Over 400,000 Rohingya Muslims have fled Burma following an upsurge in ethnic violence. Source:http://www.independent.co.uk/news/world/asia/india-rohingya-muslims-deport-burma-40000-supreme-court-terrorists-bang

The africanews reports that protests took place in some African countries against the violence in Myanmar targeting the Rohingya Moslem minority. There were protests on the streets of Johannesburg, Pretoria, Cape Town, Dakar and Accra. Source: http://www.africanews.com/2017/09/18/south-africa-senegal-ghana-march-against-rohingya-violence-in-myanmar/

post-image

On Friday August 25, over 400 Regional Convention for Jehovah’s Witnesses attendees were rendered unconscious when unknown assailants spread a non-lethal gas through the main auditorium and restrooms of the Viana Assembly at Witnesses in Luanda, Angola. Read more: https://www.friendsofangola.org/archives/10309

Denuncia atos de intolerância política no município de Bocoio, província de Benguela.

post-image

Por Adriano Sapiñala Noticia da ultima hora! Secretario Provincial da UNITA na Lunda Sul, Mwata Virgílio Pedro Samussongo, foi atingido com Gás Lacrimogéneo na Sala de reuniões pela Polícia Nacional, PIR na Sala de reuniões quando presidia uma Palestra hoje 15 de Setembro 2017. A acção foi orientada pelo Director de Ordem Pública sr Zeferino mais conhecido por China. É esta a paz deles!!!!!

descrição do teste test...FoA

post-image

Um forte dispositivo policial no centro de Luanda

post-image

A inclusão e o direitos das pessoas com deficiência deve ser um facto no nosso País

Reports from the CNN indicates that European leaders will be meeting their counterparts from African countries of Libya , Chad and Niger in Paris on Monday to discuss ways of stemming economic migration. Source : http://www.cnn.com/2017/08/28/europe/paris-migrant-summit/index.html

post-image

"A Polícia prendeu na quarta-feira, 23 de Agosto, cerca de 40 cidadãos na cidade do Huambo, na sua maioria militantes da UNITA, na sequência de um tiroteio à porta de uma assembleia de voto que estaria a ser controlada por autoridades tradicionais." Por VOA Mais: https://www.voaportugues.com/a/policia-prende-cidadaos-unita-huambo/3999189.html?ltflags=mailer

post-image

ÚLTIMA HORA: (Eleições Gerais 23 de Agosto de 2017) REGISTAM-SE TUMULTOS NO CENTRO DE ESCRUTÍNIO NACIONAL Por: Folha 8 Texto de Pedrowski Teca Há instantes recebemos várias denúncias provenientes do Centro de Escrutínio Nacional, localizado no Centro de Convenções de Talatona (CCT), dando conta que estão a impedir a entrada de certos Delegados de Lista dos partidos políticos da oposição, sobre tudo, os presidentes de Mesas de Voto das mesmas organizações políticas. “Estão a ser impedidos de participar directamente na sala de contagem de boletim”, denunciou um dos Delegados de Lista no local. O Centro de Escrutínio Nacional é a estrutura da Comissão Nacional Eleitoral (CNE), onde convergem as actas, votos, documentos e informações fornecidos pelas Comissões Provinciais Eleitorais. Nas redes sociais surgem cada vez mais críticas contra a morosidade na divulgação dos primeiros Resultados Provisórios, por parte da CNE, tendo se passado mais de 24 horas desde que decorreu o início da votação do dia 23 de Agosto. Ao nível nacional, a votação culminou às 18 horas, tendo a CNE, através da sua porta-voz Júlia Ferreira, anunciado que 1.310 eleitores de 15 Assembleias de Voto das províncias do Moxico, Lunda Norte e Benguela vão votar apenas no próximo Sábado, dia 26 de Agosto. SEGURANÇA REFORÇADA NO CENTRO DE ESCRUTÍNIO NACIONAL O governo aumentou a segurança Centro de Escrutínio Nacional, proibindo os agentes de usar telemóveis ou tirar fotografias, bem como não admitir as pessoas fotografar num raio de 100 metros. Nos dias anteriores, os agentes da Polícia Nacional que prestavam serviços ao Centro de Escrutínio Nacional estavam apenas equipados com porretes mas hoje, estão punidos de armas do tipo: Uzi e mini uzi, com munições. A instituição também foi reforçada com agentes do Serviço de Inteligência Nacional e Segurança do Estado (SINSE). Nestas Eleições Gerais, onde participaram os partidos políticos: MPLA, UNITA, CASA-CE, FNLA, PRS, e APN, registaram-se 9.3

post-image

Por Felix Miranda ALERTA MÁXIMO INTOLERÂNCIA POLÍTICA AGREDIDOS POR UM GRUPO DE MILITANTES DO MPLA INCLUINDO O SECRETÁRIO DA JMPLA PROVINCIAL A pouco menos de 5 dias da votação, o MPLA em desespero de causa, reage como uma Pacassa Ferida, dá coices até no ar. Organizou em toda Angola, grupos integrados por alguns governadores, administradores e elementos da policia, cujo objectivo é o de arrancar bandeiras e espancar dirigentes ou militantes da CASA-CE. Andam armados de barras de ferro, catanas, paus e pedras. Temos provas factuais. O caso mais recente teve como vítimas os nossos Repórteres MC Kanjila e Jeremias Kaboco, ao inicio da noite do dia 18 de Agosto, espancados pela polícia com o envolvimento directo do Comandante da Viação e Trânsito do Uige, manifestamente nas vestes de dirigente do MPLA, isto depois da retumbante actividade do Negage. Com o Relâmpago. A Direcção da CASA-CE recomenda a todos seus militantes, amigos e simpatizantes, a não cederem as provocações para não cairem na tentação e jogo sujo do MPLA que desde 1975 usou a arma da violência para se manter no poder. Contudo, que o medo não continue a ser responsável da desgraça de milhões de angolanos. VER IMAGENS

post-image

"O jornalista da rádio Ecclésia Salgueiro Vicente apresentou hoje, 17, uma queixa contra o agente da polícia que o agrediu na segunda-feira quando fazia uma reportagem sobre o cheiro vazado da base logística da SONIL, que terá provocado desmaios em alguns populares." Source: RA Mais: https://www.radioangola.org/?p=4621

Um pequeno grupo de cidadãos protestou hoje de fronte ao ministério do interior contra a nota enviada por aquele órgão envida aos governos províncias proibindo de forma inconstitucional o direito à manifestação

post-image

"A CASA-CE diz que o último episódio foi no sábado, na província do Cuando-Cubango. De acordo com a segunda maior força da oposição, quatro militantes terão sido agredidos por membros do partido no poder, o MPLA." Por DW Mais: http://www.dw.com/pt-002/angola-casa-ce-denuncia-atos-de-intolerância-pol%C3%ADtica/a-40090378

Zuela: Militantes da CASA-CE denúncia intolerância política em Angola. Mais: https://zuela.org/

Isto e grave

post-image

"A UNITA disse que o seu militante, alegadamente raptado e assassinado por membros do MPLA na Lunda Norte, foi atirado ao rio Cuango para ser comido por crocodilos." Por VOA

The ban imposed in Egypt in 2016 by government on public criticism is still in force. Scores have been arrested by the police with majority of these arrests based on preemptive reasons. Prominent human rights organizations have been banned from travels and some their assets frozen. https://www.hrw.org/world-report/2017/country-chapters/egypt#eaa21f

post-image

"Mais de três mil cidadãos forçados a abandonar as suas áreas de origem devido à intolerância política no interior da província de Benguela podem não exercer o direito de voto, alertou a OMUNGA, organização envolvida na educação cívica eleitoral." Mais: https://www.voaportugues.com/a/benguela-deslocados-da-intolerancia-politica-poderao-nao-votar/3966228.html?ltflags=mailer

post-image

A Polícia Nacional está a ser acusada de ter detido e torturado no último fim-de-semana, um activista cívico identificado por Enoque Jeremias, responsável da Associação de Promoção e Desenvolvimento Social (APDS), por suspeitas de tentar fotografar o governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, sem previa autorização. O incidente, segundo dados apurados pelo “Zuela”, teve lugar no município do Cuango quando Enoque Jeremias fazia-se de guia de uma equipa de reportagem da Televisão privada TV-Zimbo que cobria a visita da ministra da Saúde, Silvia Lutukuta, que se deslocara à vila de Cafunfo, que se debate com o surto de malária. Segundo consta, tudo começou quando o cidadão em causa recebeu uma ligação de alguns companheiros jornalistas que vinham a acompanhar a Ministra e que precisavam lhe contactar diretamente, pedindo que se encontrassem junto do hospital regional do Cafunfo. Ernesto foi com um amigo Cândido Cori e ao direcionarem-se para o local combinado depararam-se com responsáveis políticos da província como no caso dos senhores Fernando Muatxiteno, o Director municipal da educação, e Kazanga Manuel, o secretario local da JMPLA. Para a sua tristeza, neste momento Enoque Jeremias terá recebido uma mensagem no seu telemóvel, e ao tentar abrir, um dos agentes da secção do Serviço de Investigação Criminal (SIC), conhecido por “Ninja”, e Pedrito “Socicla” acusaram o activista de tentar fotografar a Ministra e o Governador. Por conta disto, Enoque Jeremias foi obrigado a entregar o telefone ao “Ninja” para que este certificasse se havia fotografado os dois governantes naquele instante. Não foram encontradas fotografias. Desta feita, três agentes da Policia Nacional detiveram o Enoque Jeremias e logo começaram a lhe torturar. Um agente da Policia de Intervenção Rapida (PIR) atingiu-lhe com um soco no olho do lado direito tendo este começado a sangrar, e posteriormente foi levada na 2a Esquadra de Cafunfo onde permaneceram todo dia. Ainda no acto da detenção,

post-image

O Observatório para Coesão Social e Justiça (OCSJ) é a mais nova organização que visa debater-se contra a violação dos direitos fundamentais dos cidadãos em Angola, cuja apresentação do seu corpo directivo foi feita neste domingo, 10 de Dezembro, em Luanda. Falando no acto de apresentação, o advogado Zola Ferreira Bambi, presidente da organização, disse que entre os objectivos, o “Observatório para Coesão Social e Justiça” estará empenhado na defesa dos direitos humanos e fundamentais, a promoção da integração, o dialogo social, coabitação e solidariedade social. Consta ainda, segundo Zola Ferreira Bambi, a luta contra as desigualdades e o fomento da cultura jurídica e cidadã, bem como o encaminhamento do seu manifesto no acompanhamento fiscalização das políticas públicas e da responsabilidade social corporativa. Aos presentes, o presidente do “Observatório para Coesão Social e Justiça” fez saber igualmente que a nova agremiação dos direitos humanos que emerge da sociedade civil “está capacitada a proporcionar, consultas jurídicas programadas, mediação, resolução de conflitos extrajudicial, patrocínio jurídico, intervenção social, apoio e assistência jurídica aos estrangeiros e à diáspora angolana. Zola Bambi esclareceu que “Observatório para Coesão Social e Justiça” não constitui um movimento político, “tão pouco apresenta algum vínculo, pacto ou compromisso vertical ou horizontal, para servir de instrumento de apoio aos partidos políticos, organizações ou instituições diversas”. “O seu rolo fundamental limita-se a um posicionamento neutro, imparcial com vista a contribuir na defesa dos direitos fundamentais e humanos, proporcionar, de forma pertinente e responsável, informação e esclarecimento de certas políticas públicas às populações”, disse. O “Observatório para Coesão Social e Justiça (OCSJ)” foi fundado em Julho de 2017 e os seus promotores sublinham que o mesmo funciona desde assinatura pública, tendo já realizado diversas actividades que vão de en

post-image

Observatorio para Coesão Social e Justiça

post-image

Stop Slave Trade in Libya - Washington DC Protest Rally - Tue Dec 12 9am - Embassy of Libya

post-image

O Grupo Parlamentar da UNITA entende que a Procuradoria-Geral da República (PGR) deve agir e responsabilizar as autoridades da província da Lunda-Norte, em consequência das mortes sucessivas, essencialmente de crianças, por alegada negligência do governo local e desvio de medicamentos e materiais gastáveis dos hospitais públicos para postos médicos privados por parte de funcionários da saúde.98 Num relatório de tornado público aos órgãos de comunicação social nesta terça-feira, 05/12, saído de uma visita de constatação de alguns deputados à Assembleia Nacional pela bancada parlamentar da UNITA, nas regiões do Cuango e Cafunfo, província da Lunda-Norte, no período entre 26 e 29 de Novembro de 2017, os parlamentares do “Galo Negro” constataram que a “situação actual vivida no município do Cuango é o resultado de uma governação irresponsável, uma governação sem norte e sem projectos sociais coerentes e, até, o sinal evidente de que as Autarquias em Angola devem ser implementadas com alguma urgência”. Segundo os deputados da UNITA que contrariam os argumentos das autoridades governamentais da Lunda-Norte, que minimizam o número de mortes podia, “há efectivamente uma doença com sintomas de malária a matar 5 a 12 crianças por dia . A doença se torna estranha na medida em que ela actua de maneira muito rápida levando a morte as suas vítimas”. Os deputados constataram que de 1 de Setembro a 29 de Novembro de 2017, terão perecido mil e 80 crianças, dos zero à 17 anos, numa média diária de 12 crianças, devido a falata de saneamento básico e água potável para o consumo das populações. “as populações consomem água imprópria, falta de saneamento básico já que não existe até uma simples rede de esgotos”, diz o relatório a que o “ZUELA” teve acesso. O documento refere que o encerramento da morgue faz com que os cadárevres sejam levados para casa. “Assim os familiares se reunem em volta do morto expondo-se a riscos de contágio” Para todos os problemas que a população enfrenta,

Tudo começou com a detenção de João Alfredo Dala por agentes da Polícia Nacional e Serviço de Investigação Criminal, acusado de participar de um alegado “rapto” do pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia, Daniel Cem ex-presidente da região norte, ao que consta, terá alegadamente simulado o seu próprio rapto, no dia 29 de Outubro de 2015. Dos factos reportados pelo “Maka Angola”, referem que durante o “cativeiro”, o mesmo Daniel Cem usou o seu telemóvel e computador para negociar pessoalmente com a igreja o seu resgate, para conversar com amigos e familiares. A igreja não pagou. Para justificar a sua libertação, o pastor alegou que os próprios raptores lhe teriam concedido um empréstimo de dez milhões de kwanzas, conforme explicado anteriormente, na primeira parte desta investigação. Como a história não fazia sentido, era preciso encontrar alguém que confessasse o suposto crime. Os dados avançados, ressaltam que João Alfredo Dala, foi pessoalmente torturado – até o deixarem mutilado – por alguns dos principais chefes do SIC, durante 15 horas seguidas, para o obrigarem a repetir, em vídeo, uma confissão que lhe tinham preparado. O pastor Daniel Cem e familiares seus também torturaram o "escolhido" na 48ª Esquadra Policial, em Viana. Segundo contou João Alfredo Dala ao portal que o “Zuela” tem vindo a citar, no 4 de Dezembro do mesmo ano de 2015, por volta das 23h00, um grupo de 18 elementos encapuzados invadiu a residência do comerciante João Alfredo Dala, líder da juventude da Igreja Adventista do Sétimo Dia, no bairro Rocha Pinto, tendo morto o seu cão pastor alemão com um tiro na cabeça. “Pensámos que eram bandidos. Escalaram até ao primeiro andar onde vivo e entraram no meu quarto. Pedi-lhes que não fizessem mal à minha família. Disse-lhes que tinha dinheiro e que o entregaria”, afirma João Dala. “Um deles pegou na minha filha de 20 anos, a Linda, e pensei que a fossem violar e comecei a gritar. Implorei para não a violassem”, denuncia. Levou então uma cor

post-image

Sete activistas foram detidos por volta das 11 horas, neste sábado, 02/12, supostamente por orientação do segundo Comandante da Polícia Nacional na província de Cabinda, quando tentavam distribuir e colar na via pública panfletos sobre a realização de uma “manifestação pacífica” no próximo dia 16 de Dezembro, data consagrada ao “Dia Internacional dos Direitos Humanos”. Em declarações prestadas ao “Zuelala”, Alexandre Kuanga, coordenador da Associação para o Desenvolvimento da Cultura dos Direitos Humanos (ADCHD) em Cabinda disse que os sete activistas, defensores dos Direitos Humanos no enclave, foram detidos e colocados na prisão sem motivos que justifiquem. Alexandre Kuanda conta que os activistas que pretendiam distribuir e colar panfletos no centro da cidade de Cabinda que anunciam a realização da manifestação já anunciada às autoridades para o sábado, 16/12, foram interpelados por um sargento de uma Esquadra Móvel da Polícia Nacional que “os impediu de colar os cartazes na paragem do Yema”. O coordenador da Associação para o Desenvolvimento da Cultura dos Direitos Humanos (ADCHD) na província rica em petróleo fez saber a que a manifestação tem por objectivo exigir o fim da “impunidade, assassinatos, desemprego que assolada a maioria da população, as prisões arbitrárias, perseguições e bem como a degradação social da província de Cabinda”. Para Alexandre Kuanga, os sete activistas estão detidos sem nenhuma acusação formal, e tudo aconteceu quando os mesmos se dirigiram ao Comando Provincial da Polícia de Cabinda, reclamando sobre o “impedimento” a que foram vítimas na colagem dos dísticos por parte de um dos agentes de uma Esquadra Móvel, e postos no local, contra Alexandre Kuanga, “o segundo comandante da polícia orientou detenção dos activistas”. “Os activistas foram ao comando reclamar as razões do impedimento na colagem dos panfletos, mas chegando lá foram colocados na prisão por orientação do segundo comandante, que momentos depois foram levados para a

post-image

Fazer dos Recursos Naturais uma Fonte de Bem estar de todos e para os Angolanos Luanda 29 a 30 de Novembro de 2017

post-image

Nos últimos tempos, tem circulado nas redes sociais, informações que dão conta de sucessivas mortes em Luanda, principalmente de jovens, supostamente executados à queima-roupa cujas mortes são atribuídas aos Serviços de Investigação Criminal (SIC). A pena de morte em Angola, ao que consta, foi abolida em 1991 e a Constituição da República de Angola, aprovada em Fevereiro de 2010, entre os direitos e liberdades individuais e colectivos, consagra no artigo 30.º o “Direito o à vida”, estabelecendo que “o Estado respeita e protege a pessoa e a dignidade humanas”. Os factos reportados nos últimos dias são arrepiantes, porquanto são cadáveres que têm sido encontrados no interior dos bairros de Luanda, cujas testemunhas acusam elementos ligados aos Serviços de Investigação Criminal (SIC) de Angola, o que a ser verdade, viola a Constituição da República que proíbe a pena de morte. A denúncia mais recente é a do activista cívico Manuel Nito Alves, que numa publicação na sua página do “Facebook” na terça-feira, 28 de Outubro, advoga ter visto a morte de um jovem cujo nome e a idade não foram revelados, no quilómetro 9ª, na zona da Robaldina, em Viana. O Director do Serviço de Investigação Criminal de Luanda, Amaro Neto, negou em conferência imprensa a existência de “esquadrão da morte” em Angola. Para o responsável do SIC na capital do país, a sua instituição respeita à vida e que tudo está a ser feito para encontrar os verdadeiros culpados pelas mortes. O activista Nito Alves, na publicação feita, “desafia” à alta patente do SIC. “Eu ninguém me contou, presenciei a morte deste jovem”, lê-se na publicação do Nito Alves, que disse que esteve em companhia de dos outros activistas Arante Kivuvu Lumumba e Salvador Tadeu. “Vimos tudo e para quem tem duvidas, vêm agora aqui na Robaldina, o corpo do jovem ainda está aqui isso, aconteceu há cinco minutos, agora mesmo”, denunciou o activista, acrescentando que “o carro dos homens do SIC é um Land Cruse branco de cinco por

post-image

Fonte: DN Muitos são obrigados a pedir dinheiro às famílias para evitar a escravatura. Segundo a Organização Internacional para as Migrações, o deserto do Sara ultrapassou o Mediterrâneo como principal causa de morte. Mais: https://www.dn.pt/mundo/interior/migrantes-africanos-vendidos-como-escravos-por-400-dolares-8917560.html

post-image

Sou eu mais livre então. Diário de um preço político

post-image

O lançamento + venda + sessão de autógrafos será no Hotel Globo. Fica na esquina oposta à da Bricomat na Mutamba. Perto do GPL. Quem vai com intenção de comprar o livro leva só kumbú como se tivesse a ir adquirir nas escassas livrarias que ainda existem por aí, ou mesmo no Kero. Seguramente voltarão com o livro e provavelmente com troco. Parem de perguntar o preço. Saberão ao chegar. AVISO: só existem 450 cópias do livro. Não há reservas. Finalmente o lançamento do livro em Luanda já tem uma data e um local. Depois das habituais dificuldades de sítios "óbvios" como o Elinga-Teatro darem um redondo NÃO e outros não tão óbvios como o Espaço Rebita dizer que sim e depois recuarem, felizmente o Hotel Globo não colocou nenhum entrave... até agora! Vamos ver se o governo do João Lourenço permite a liberdade de expressão, livre reunião e que o incentivo à leitura não seja só uma música da Noite e Dia... afinal, melhorar o que está bom e corrigir o que está mal, passa também pela percepção de que há lugar para todos nessa imensa e linda Angola. Dia 9 de Novembro, próxima quinta-feira no Hotel Globo na Mutamba em Luanda, a partir das 17:30h. Apresentação de Reginaldo Silva.

post-image

Postura dos Meios de Comunicação nas Eleições 2017

post-image

A falta de médicos especialistas em dermatologia, precisamente em cuidados da pele de pessoas com albinismo, foi apontada como uma das situações que contribuem para a má qualidade de vida dos albinos em Angola, levando alguns à morte por cancro da pele. Texto de Simão Hossi A Associação de Apoio aos Albinos de Angola, abreviadamente «4 As», comemorou, no dia 23 deste mês, o seu quarto aniversário desde a sua constituição legal. Com sede no município do Cazenga, Luanda, entretanto provisoriamente, segundo disseram, conta com representações nas províncias da Huíla, Uíge, Huambo, Moxico, Kwanza Sul, e brevemente inaugura sedes em Benguela e Kwanza Norte. Segundo o seu presidente, Domingos Manuel Vapor, a falta de assistência médica especializada é uma grande preocupação da associação. Para além deste problema, Mariza, jovem membro da organização, denuncia a discriminação no emprego, acto condenável que reduz o tempo de trabalho em determinado posto, isto quando são empregados. A aceitação do albinismo pela sociedade, no geral, e a discriminação no seio da família tem sido vivido principalmente pelas mulheres com albinismo. Segundo Mariza, 95 por cento das mulheres com albinismo são mães solteiras, e isto ocorre porque “não têm tido o mesmo respeito e consideração”. Há também bastante discriminação às crianças com albinismo, chegando algumas a serem abandonadas mesmo, segundo Manuel Vapor, principalmente quando morrem os pais. DIFICULDADES FINANCEIRAS A associação enfrenta graves debilidades financeiras. Ela sobrevive das cotas dos seus membros, porém, poucos são os que têm capacidade para honrar com este ponto estatutário. Os poucos apoios que tem recebido não tem servido para desenvolver adequadamente o seu trabalho. Dentre as suas acções, consta o programa de informação que visa acabar com os mitos sobre pessoas com reduzida melanina, mitos que estão na origem de perseguições que culminam inclusive com assassinatos de indivíduos com albinismo. O presidente da

post-image

Em busca da informação plural, mesmo que se encontre no Mato a que ajustar a atena parabolica, imagens de Malanje

post-image

A realidade e crescimento das crianças do Cacuso em Malanje

post-image

A realidade especifica das aldeias no Kwanza Norte e, realidade que se vive em outras aldeias do País

post-image

Malanje- Angola

post-image

Numeros de telefones dos comandantes municipais da provincia de Luanda - usa para fazer denuncias

post-image

4ª aniversário da Associação de Apoio Aos Albinos de Angola

post-image

Organização, #Mosaiko - Instituto para a Cidadania dos Padres Dominicanos

post-image

Padre Jacinto Wacussanga Fomos detidos por volta das 13 horas e vinte minutos por ordem do director Provincial dos Serviços de Investigação do Cunene, porque segundo ele invadimos um espaço militar, quando nosso intenção foi simplesmente buscar o contraditório de uma informação que dá a conhecer de corrupção no caso que envolve a aprienção de 350 viaturas ao abrigo do decreto presidencial N° 62/14 que proibe a entrada no país com mais de 5 anos de uso uma outra norma que proibe a circulação de viaturas de volante a direita. Fomos tratados como marginais, privados dos nossos meios, empurrados por agente do SPIC como se oferecessemos perigo a intergridade fisica e segurança de aproximadamente 8 elemntos do SPIC sob o comando do seu director, do senhor Pedro João. Detivram numa sala, onde por cerca de uma hora, ficamos sob custódia de um agente do SPIC, para hora depois ser ouvidos pelo proprio director, tendo dito que seremos encaminhados para MP. Não sei como, mas ppr vontade de Deus o nosso colega da TVZimbo, operador de camera e editor de imagem, entregou o seu telefone sem desliga-lo, por essa via a Redação da mesmla televisão ligou insistentemente, tendo originado a nossa libertação

Trist - Quando e k aconteceu isto?

The Reuters News Agency reports that the Speaker of the Ethiopian Parliament has submitted has resignation to the government. Mr Abdula Gemeda did not give reasons for his resignation. Source:http://www.reuters.com/article/us-ethiopia-politics/speaker-of-ethiopian-parliament-submits-resignation-idUSKBN1CD0XU?il=0

post-image

Um levantamento sobre o desenvolvimebto da África Austral e os Direitos Humanos dos povos da regiao

Ministro Joao Melo, sessa ligacao com as Empresas de Cominicacao Social a qual foi Socio antes de tomar posse

The BBC reports that internet services in the Cameroon separatist region has been shut... It further reported that "security forces opened fire on demonstrators who were calling for independence at rallies on Sunday, killing at least eight people". Source:http://www.bbc.com/news/world-africa-41468149

post-image

Fonte: Radio Angola Na sequência dos actos de intolerância política que se têm registado no Monte-Belo, município do Bocoio, em Benguela, noticiado primeiramente pela Rádio Angola, a Plataforma Eleitoral da Sociedade Civil de Benguela, na qual integram as organizações cívicas Omunga, CRB, e a AJS, divulgou um relatório onde, em nove pontos, aponta como conclusão. Mais: https://www.radioangola.org/plataforma-eleitoral-divulga-relatorio-sobre-intolerancia-politica-em-benguela/

Radio

The Independent reports that the Indian Federal Government is trying to deport over 40,000 Rohingya Muslims over their alleged ties to ISIS and the Pakistan Secret Services. Over 400,000 Rohingya Muslims have fled Burma following an upsurge in ethnic violence. Source:http://www.independent.co.uk/news/world/asia/india-rohingya-muslims-deport-burma-40000-supreme-court-terrorists-bang

The africanews reports that protests took place in some African countries against the violence in Myanmar targeting the Rohingya Moslem minority. There were protests on the streets of Johannesburg, Pretoria, Cape Town, Dakar and Accra. Source: http://www.africanews.com/2017/09/18/south-africa-senegal-ghana-march-against-rohingya-violence-in-myanmar/

post-image

On Friday August 25, over 400 Regional Convention for Jehovah’s Witnesses attendees were rendered unconscious when unknown assailants spread a non-lethal gas through the main auditorium and restrooms of the Viana Assembly at Witnesses in Luanda, Angola. Read more: https://www.friendsofangola.org/archives/10309

Denuncia atos de intolerância política no município de Bocoio, província de Benguela.

post-image

Por Adriano Sapiñala Noticia da ultima hora! Secretario Provincial da UNITA na Lunda Sul, Mwata Virgílio Pedro Samussongo, foi atingido com Gás Lacrimogéneo na Sala de reuniões pela Polícia Nacional, PIR na Sala de reuniões quando presidia uma Palestra hoje 15 de Setembro 2017. A acção foi orientada pelo Director de Ordem Pública sr Zeferino mais conhecido por China. É esta a paz deles!!!!!

descrição do teste test...FoA

post-image

Um forte dispositivo policial no centro de Luanda

post-image

A inclusão e o direitos das pessoas com deficiência deve ser um facto no nosso País

Reports from the CNN indicates that European leaders will be meeting their counterparts from African countries of Libya , Chad and Niger in Paris on Monday to discuss ways of stemming economic migration. Source : http://www.cnn.com/2017/08/28/europe/paris-migrant-summit/index.html

post-image

"A Polícia prendeu na quarta-feira, 23 de Agosto, cerca de 40 cidadãos na cidade do Huambo, na sua maioria militantes da UNITA, na sequência de um tiroteio à porta de uma assembleia de voto que estaria a ser controlada por autoridades tradicionais." Por VOA Mais: https://www.voaportugues.com/a/policia-prende-cidadaos-unita-huambo/3999189.html?ltflags=mailer

post-image

ÚLTIMA HORA: (Eleições Gerais 23 de Agosto de 2017) REGISTAM-SE TUMULTOS NO CENTRO DE ESCRUTÍNIO NACIONAL Por: Folha 8 Texto de Pedrowski Teca Há instantes recebemos várias denúncias provenientes do Centro de Escrutínio Nacional, localizado no Centro de Convenções de Talatona (CCT), dando conta que estão a impedir a entrada de certos Delegados de Lista dos partidos políticos da oposição, sobre tudo, os presidentes de Mesas de Voto das mesmas organizações políticas. “Estão a ser impedidos de participar directamente na sala de contagem de boletim”, denunciou um dos Delegados de Lista no local. O Centro de Escrutínio Nacional é a estrutura da Comissão Nacional Eleitoral (CNE), onde convergem as actas, votos, documentos e informações fornecidos pelas Comissões Provinciais Eleitorais. Nas redes sociais surgem cada vez mais críticas contra a morosidade na divulgação dos primeiros Resultados Provisórios, por parte da CNE, tendo se passado mais de 24 horas desde que decorreu o início da votação do dia 23 de Agosto. Ao nível nacional, a votação culminou às 18 horas, tendo a CNE, através da sua porta-voz Júlia Ferreira, anunciado que 1.310 eleitores de 15 Assembleias de Voto das províncias do Moxico, Lunda Norte e Benguela vão votar apenas no próximo Sábado, dia 26 de Agosto. SEGURANÇA REFORÇADA NO CENTRO DE ESCRUTÍNIO NACIONAL O governo aumentou a segurança Centro de Escrutínio Nacional, proibindo os agentes de usar telemóveis ou tirar fotografias, bem como não admitir as pessoas fotografar num raio de 100 metros. Nos dias anteriores, os agentes da Polícia Nacional que prestavam serviços ao Centro de Escrutínio Nacional estavam apenas equipados com porretes mas hoje, estão punidos de armas do tipo: Uzi e mini uzi, com munições. A instituição também foi reforçada com agentes do Serviço de Inteligência Nacional e Segurança do Estado (SINSE). Nestas Eleições Gerais, onde participaram os partidos políticos: MPLA, UNITA, CASA-CE, FNLA, PRS, e APN, registaram-se 9.3

post-image

Por Felix Miranda ALERTA MÁXIMO INTOLERÂNCIA POLÍTICA AGREDIDOS POR UM GRUPO DE MILITANTES DO MPLA INCLUINDO O SECRETÁRIO DA JMPLA PROVINCIAL A pouco menos de 5 dias da votação, o MPLA em desespero de causa, reage como uma Pacassa Ferida, dá coices até no ar. Organizou em toda Angola, grupos integrados por alguns governadores, administradores e elementos da policia, cujo objectivo é o de arrancar bandeiras e espancar dirigentes ou militantes da CASA-CE. Andam armados de barras de ferro, catanas, paus e pedras. Temos provas factuais. O caso mais recente teve como vítimas os nossos Repórteres MC Kanjila e Jeremias Kaboco, ao inicio da noite do dia 18 de Agosto, espancados pela polícia com o envolvimento directo do Comandante da Viação e Trânsito do Uige, manifestamente nas vestes de dirigente do MPLA, isto depois da retumbante actividade do Negage. Com o Relâmpago. A Direcção da CASA-CE recomenda a todos seus militantes, amigos e simpatizantes, a não cederem as provocações para não cairem na tentação e jogo sujo do MPLA que desde 1975 usou a arma da violência para se manter no poder. Contudo, que o medo não continue a ser responsável da desgraça de milhões de angolanos. VER IMAGENS

post-image

"O jornalista da rádio Ecclésia Salgueiro Vicente apresentou hoje, 17, uma queixa contra o agente da polícia que o agrediu na segunda-feira quando fazia uma reportagem sobre o cheiro vazado da base logística da SONIL, que terá provocado desmaios em alguns populares." Source: RA Mais: https://www.radioangola.org/?p=4621

Um pequeno grupo de cidadãos protestou hoje de fronte ao ministério do interior contra a nota enviada por aquele órgão envida aos governos províncias proibindo de forma inconstitucional o direito à manifestação

post-image

"A CASA-CE diz que o último episódio foi no sábado, na província do Cuando-Cubango. De acordo com a segunda maior força da oposição, quatro militantes terão sido agredidos por membros do partido no poder, o MPLA." Por DW Mais: http://www.dw.com/pt-002/angola-casa-ce-denuncia-atos-de-intolerância-pol%C3%ADtica/a-40090378

Zuela: Militantes da CASA-CE denúncia intolerância política em Angola. Mais: https://zuela.org/

Isto e grave

post-image

"A UNITA disse que o seu militante, alegadamente raptado e assassinado por membros do MPLA na Lunda Norte, foi atirado ao rio Cuango para ser comido por crocodilos." Por VOA

The ban imposed in Egypt in 2016 by government on public criticism is still in force. Scores have been arrested by the police with majority of these arrests based on preemptive reasons. Prominent human rights organizations have been banned from travels and some their assets frozen. https://www.hrw.org/world-report/2017/country-chapters/egypt#eaa21f

post-image

"Mais de três mil cidadãos forçados a abandonar as suas áreas de origem devido à intolerância política no interior da província de Benguela podem não exercer o direito de voto, alertou a OMUNGA, organização envolvida na educação cívica eleitoral." Mais: https://www.voaportugues.com/a/benguela-deslocados-da-intolerancia-politica-poderao-nao-votar/3966228.html?ltflags=mailer